sexta-feira, 31 de maio de 2013

ANANIAS E SAFIRA: O CASAMENTO QUE NÃO DÁ FRUTOS


O Brasil encontra-se classificado entre as maiores nações evangélicas do mundo. Somos um povo voltado para as coisas do Espírito, uma multidão de pessoas está voltando os seus olhos para os templos das igrejas e buscando o processo de conversão como forma de se aproximar de Deus e adquirir paz para os seus dias atuais e salvação para a eternidade. Vemos com naturalidade no Brasil irmãos em Cristo frequentando a casa dos seus irmãos em Cristo, dividindo o pão, louvando, orando e buscando a interação entre famílias detentoras de um determinado padrão de fé. Uma multidão tem buscado o Senhor pelos grandes sinais da atualidade, em busca de milagres sobre as suas vidas. Não é difícil ver nos mais caros meios de comunicação batismos coletivos de milhares de pessoas, acrescentadas ao ministério de Cristo, através da ministração da palavra e da comunhão entre os seus.  Olhando por este lado podemos enxergar o livro de Atos dos Apóstolos onde lemos – “Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações. Todos estavam  cheios de temor, e muitas maravilhas e sinais eram feitos pelos apóstolos. Os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum. Vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um conforme a sua necessidade. Todos os dias, continuavam-se a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração, louando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo, e o Senhor lhes acrescentava diariamente os que iam sendo salvos (At. 2-42-27 – nvi).
Este é um cenário maravilhoso e de certo, todos gostaríamos de vê-lo concretizar-se ciclicamente em todo o tempo atingindo o clímax da maturidade espiritual requerida pelo Messias para o seu povo abrindo-se desta forma os portais do céu e viabilizando a sua volta, porém até o momento não vimos isto acontecer. Mesmo com milhares de templos, milhares de convertidos, muitos sinais e maravilhas, fortunas empregadas na pregação do evangelho por todos os meios de comunicação a tão esperada volta do Senhor ainda não se concretizou. A resposta para a nossa condição está, como sempre, na palavra de Deus e a sua mensagem é explicita, clara e concisa. No mesmo livro de Atos dos Apóstolos, encontramos a história conhecida de Ananias e Safira. O capítulo 5 inicia com esta história – “Um homem chamado Ananias, com Safira, sua mulher, também vendeu uma propriedade. Ele reteve parte do dinheiro para si, sabendo disso também sua mulher; e o restante levou e colocou aos pés dos apóstolos. Entalo perguntou Pedro: ‘Ananias, como você permitiu que Satanás enchesse o seu coração, ao ponto de você mentir ao Espírito Santo e guardar para si uma parte do dinheiro que recebeu pela propriedade? Ela não lhe pertencia? E, depois de vendida, o dinheiro não estava em seu poder? O que o levou a pensar em fazer tal coisa. Você não mentiu aos homens, mas sim a Deus’. Ouvindo isso, Ananias caiu morto (...) – Cerca de três horas mais tarde, entrou sua mulher, sem saber o que havia acontecido. Pedro lhe perguntou: Diga-me, foi esse o preço que vocês conseguiram pela propriedade? Respondeu ela: Sim foi este mesmo. Pedro lhe disse: Por que vocês entraram em acordo para tentar o Espírito do Senhor?  (...) Naquele mesmo instante ela caiu morta aos pés dele.” (At. 5.1-10 - nvi).
 Este texto possui importantes respostas para a situação da igreja na atualidade. Muitas pessoas na igreja, muitos eventos vultuosos, ministérios em ampla expansão, porém nem sinal dos “grandes” milagres quanto mais da volta do messias. Tudo isto se dá por alguns motivos os quais vamos discorrer agora.
- SIM, uma multidão de pessoas tem se convertido aos caminhos do Senhor mas em que nível? – Ananias e Safira eram marido e mulher. Não sabemos se tinham filhos, mas representavam uma família, mais ainda, o casamento entre o homem e a mulher representa a união entre “Deus” e a “Igreja” e era isto o que deveria estar representado na vida daquele casal, mas tal e qual vemos nos dias de hoje Ananias e Safira representam a classe das pessoas envolvidas no evangelho de forma superficial, por mero acaso, comodismo, situações vantajosas, ou busca de facilidades naturais e sobrenaturais para as suas vidas, sem apontar para o principal que é a submissão a autoridade de Deus sobre as suas vidas.
MERO ACASO – Pessoas que se convertem sem chamado, pois estão acostumadas a seguir todos os ventos do momento. “Se a moda agora é ser ‘crente’ estamos dentro”.  COMODISMO – Ser ‘crente’ é bom. Fazemos amigos, geralmente amigos fiéis com os quais podemos contar e o ambiente é seguro, bem diferente dos ambientes fora deste âmbito. É bom ter o que fazer nos finais de semana e o culto é uma ótima oportunidade de extravasar as ‘energias negativas’ e voltar para casa com ‘baterias carregadas’. SITUAÇÕES VANTAJOSAS – Crentes são pessoas confiáveis, ótimos consumidores e excelentes pagadores. Uma vez que estão sempre juntos é muito fácil vender Tupperware, Avon, Jequeti, Amay, Telexfree, bbom, Up-Essências, Forever, enfim, todas as novidades do mercado e do marketing de rede. Este é só um exemplo, mas quando falamos em situações vantajosas elas são numerosas indo para todas as áreas, política, sociais, econômicas etc. FACILIDADES NATURAIS E SOBRENATURAIS – Muitas pessoas buscam apenas as facilidades do evangelho, ou seja: A ajuda da igreja para o seu dia a dia em forma de cestas básicas, auxílios, cursos etc., como também sobrenaturais. É comum vermos pessoas nos templos em busca de milagres e estas pessoas em geral seguem dois caminhos: Recebem o milagre e vão embora, ou não recebem o milagre... e vão embora!
A palavra de Deus é clara ao nos estimular a dar frutos, e ela nos adverte quanto a isto ao dizer: “Toda árvore que não produz bons frutos é cortada e lançada ao fogo é cortada e lançada o fogo. Assim, pelos seus frutos vocês os reconhecerão” (Mt 7.19-20). A palavra de Deus também nos ensina que a abundância de vida provém do Senhor mesmo para os mortos: “Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra viverá, e quem vive e crê em mim, não morrerá eternamente” (João 11.25). Quando lemos estes textos é preciso refletir: Em que nível estavam Ananias e Safira? Em que nível nós estamos? Será que estamos sendo cristãos verdadeiros ou apenas cristãos de fachada? – A falsa adoração a Deus ou a “adoração de fachada” foi o primeiro motivo de pecado registrado na palavra de Deus – Caim e Abel – e não por acaso o primeiro motivo de morte. Este padrão de adoração é uma afronta ao poder de Deus e não podemos tratar as coisas de Deus de forma desleixada – “Não se deixem enganar: De Deus não se zomba. Pois o que o homem semear, isto também colherá”. Um casal, uma família devem estar constantemente voltados para Deus de forma sincera. Frequentar o pátios dos templos, e alguns fazem isto todos os dias, sem um coração verdadeiro traz peso na forma de “juízo” (julgamento) quem pratica esta ação, e isto independe da sua posição social ou eclesiástica. Ao longo da palavra de Deus pudemos ver casos semelhantes ao de Ananias e Safira onde o juízo divino sobreveio à vida de pessoas desleixadas ou envolvidas com a fé de forma torpe, entre eles podemos destacar Nadabe e Abiú mortos pela sua irresponsabilidade diante do poder de Deus.
Você deve fazer “o quanto pode” para a obra de Deus, porém jamais finja fazer mais, ofertar mais ou parecer mais do que realmente é. Seu irmão de igreja pode até acreditar em você mas o Deus todo poderoso te conhece. Ananias e Safira, poderiam ter ofertado o quanto quisessem da propriedade vendida, porém o desejo de “parecer mais generosos do que eram” os levaram a uma morte sem volta, pois eles mentiram “e os mentirosos não herdarão o reino dos céus”. Uma família precisa ser sincera com Deus, e fazer pelo seu ministério o quanto pode, o máximo que pode dentro das suas possibilidades. Se há quem pregue a palavra, que pregue, se há quem ministre o louvor, que louve, se há quem possa colaborar no ministério, que colabore, porém “que a sua mão direita não saiba o que faz a esquerda”. Nos somos cristãos, não somos artistas. A palavra artista vem do grego e significa – “aquele que diz ser o que não é”. Não seja artista, seja profeta! Não seja  um crente de ocasião seja cristão por convicção.
O exemplo é uma forma de pregação. O seu exemplo vai formar outros exemplos, então tome cuidado com o seu comportamento. Ananias e Safira certamente tiveram o seu coração corrompido por maus exemplos. O seu comportamento na igreja e em casa precisa ser exemplar. Viver o que lê, o que ouve na palavra de Deus e que Deus ministra ao seu coração. Falar apenas não é suficiente para fazer os seus filhos mudarem de direção. Seja um exemplo vivo da presença de Deus na sua casa. Mostre a sinceridade de coração na sua doação integral a Deus, em Espírito e em verdade e não apenas em coisas materiais. Não pense jamais que seus dízimos farão alguma diferença se o seu coração não pertencer ao Senhor. Este é um grande erro nos dias de hoje, herdado da igreja em Roma onde se ensinava a comprar a santidade. Dízimos são sagrados, tanto quanto o seu coração, a sua vida e a sua família e toda ela deve estar inserida no plano de Deus.
Em Atos dos Apóstolos vemos uma multidão convertida ao Senhor, mas encontramos Ananias e Safira em meio a esta multidão. Será que só este casal estava nesta condição? Quantos será, não pensaram em fazer a mesma coisa, ou preferiram simplesmente continuar na sua vida de sempre, sem se dedicar aos planos de Deus. A esses convertidos, porém não na plenitude da palavra, nada mais restou do que o Sheol e não fomos projetados para isto, fomos projetados para ter vida e vida em abundância. Devemos exercer a comunhão em Cristo Jesus, partir o pão, porém tudo isto deve ser feito conforme a palavra de Deus. Faça a diferença. Aparências são só aparências, mas você e sua família nasceram para vence-las e fazer a diferença.
Nele, por Ele e para Ele.
Pr. Altamir de Souza.