terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Deus ainda faz milagres?

     Quando lemos e prestamos atenção aos textos bíblicos encontramos uma diversidade de textos no conjunto literário da obra de Deus. São parábolas, metáforas, histórias e genealogias capazes de levar um leitor interessado fazer um grande mergulho neste gigantesco mar de letras. Algo, entretanto chama atenção não só dos cristãos convictos, como também de todas as pessoas cuja sorte já lhe tenha permitido aprender ou ouvir algo a respeito de Deus: Os seus milagres! Cegos que voltaram a enxergar, aleijados que voltaram a andar, doentes que ficaram sãos e até mesmo homens que voltaram à vida. Como se não bastasse, também podemos contemplar água vertendo da rocha, mares gigantescos se abrindo, terremotos e, meu Deus! Um dia em que o Sol parou no meio do céu e por quase um dia inteiro não se pôs.

     Atualmente uma multidão tem corrido aos templos em busca do sonhado milagre. Desde aqueles desesperados por uma cura, até os materialistas, desejosos em mudar o seu status social por meio da intervenção divina, e nesta busca desenfreada pelo lado místico da fé encontramos dois grupos distintos: Um feliz, por ter atingido seus objetivos, e outro desencorajado em Cristo por ter esperado e crido em algo que nunca recebeu. Isto tudo nos leva a pensar: Será que Deus ainda realiza os grandes milagres de ressurreição, cura? Se sim, porque todos os que buscam não os recebem, e se não, qual seria o motivo?

     Há um texto muito interessante na palavra de Deus capaz de nos mostrar algumas realidades referentes a estes questionamentos. O texto em Lucas 16.19-31 diz: “Havia um homem rico que se vestia de púrpura e de linho fino e vivia no luxo todos os dias. 20 Diante do seu portão fora deixado um mendigo chamado Lázaro, coberto de chagas; 21 este ansiava comer o que caía da mesa do rico. Até os cães vinham lamber suas feridas. 22 “Chegou o dia em que o mendigo morreu, e os anjos o levaram para junto de Abraão. O rico também morreu e foi sepultado. 23 No Hades, onde estava sendo atormentado, ele olhou para cima e viu Abraão de longe, com Lázaro ao seu lado. 24 Então, chamou-o ‘Pai Abraão, tem misericórdia de mim e manda que lázaro molhe a ponta do dedo na água e refresque a minha língua, porque estou sofrendo muito neste fogo’. 25 “Mas Abraão respondeu: “Filho, lembre-se de que durante a sua vida você recebeu coisas boas, enquanto que Lázaro recebeu coisas más. Agora, porém, ele está sendo consolado aqui e você está em sofrimento. 26 E além disso, entre vocês e nós há um grande abismo, de forma que os que desejam passar do nosso lado para o seu, ou do seu lado para o nosso não conseguem. 27 Ele respondeu: Então eu te suplico, pai: manda Lázaro ir à casa de meu pai, 28 pois tenho cinco irmãos. Deixa que ele os avise, a fim de que eles não venham também para este lugar de tormento. 29 “Abraão respondeu:Eles têm Moisés e os Profetas; que os ouçam”. 30 “Não, Pai Abraão”, disse ele, ‘mas se alguém dentre os mortos fosse até eles, eles se arrependeriam.’ 31 Abraão respondeu: ‘Se não ouvem a Moisés e aos Profetas, tampouco se deixarão convencer ainda que ressuscite alguém dentre os mortos’”

        Esta é uma dúvida pulsante no coração de muitos cristãos. O evangelista Lucas relata a estória (ou parábola) do “Rico e Lázaro”: Lázaro vai para o céu, o rico vai para o inferno. Não suportando a dor do hades o rico pede a Abraão que permita a lázaro confortar-lhe o sofrimento e ao ter seu pedido negado implora para que permita a Lázaro, mesmo morto, ir até seus 5 irmãos e avisá-los para se livrarem do sofrimento pelo qual estava passando. O rico entendeu que este “milagre” poderia mover a fé dos seus irmãos descrentes. A resposta de Abraão foi: “Se não ouvem a Moisés e aos Profetas, tampouco se deixarão convencer ainda que ressuscite alguém dentre os mortos”.

       
     Seria a princípio de estranhar Abraão – Pai da Fé – negar a realização de um milagre, mas avaliando melhor os porquês desta negativa encontramos a resposta para questões neste sentido: A PRIMEIRA questão está voltada à necessidade destes milagres para confirmar a autoridade de Jesus Cristo e por consequência dos profetas bíblicos. O apóstolo Paulo assim escreve em 2ª Coríntios 12.12 – “As marcas de um apóstolo: Sinais, maravilhas e milagres, foram demonstradas entre vocês com grande perseverança. Estes profetas e apóstolos, necessitaram destas demonstrações por intermédio deles afim de que a sua posição como “representantes de Deus” fosse estabelecida no Reino, conforme lemos em Efésios 2.19-20  - “Portanto, vocês já não são mais estrangeiros nem forasteiros, mas concidadãos dos santos e membros da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, tendo Jesus Cristo como pedra angular”. A SEGUNDA questão é a prova de que milagres por milagres não geram fé absoluta e irrestrita. Na saída do povo Hebreu do Egito acompanhamos muitos milagres, entre eles “a travessia do Mar Vermelho” e mesmo com sinais tão grandes o povo insistia em desacreditar na terra prometida e até mesmo rebelar-se no meio do caminho. De fato, o povo compreendeu que para todas as dificuldades no deserto haveria uma “solução milagrosa” e como milagres vinham de Deus e não provinham deles não havia a necessidade de uma fé constante, bastando ter fé na hora da necessidade. *Note: Mesmo Jesus Cristo tendo realizado tantos milagres, ainda assim o mataram, mesmo tendo os seus discípulos e outros homens como Estevão, Felipe e o apóstolo Paulo realizado por intermédio do poder de Deus tantos milagres foram em sua maioria mortos com requintes de crueldade em virtude da “falta de fé” das pessoas à sua volta.
  
Como crer em milagres na atualidade
        Deus ainda continua fazendo milagres e dando sinais das suas maravilhas. Não chega a ser incomum ver estes grandes milagres acontecendo em diversos ministérios e lugares do mundo. Ainda como se não bastasse, as confirmações bíblicas em torno das profecias relativas aos últimos dias e à volta de Cristo coadunam-se de forma precisa e quase cirúrgica, revelando-se, desta forma, como um grande milagre. Neste sentido não podemos desqualificar a existência dos grandes milagres na atualidade, porém é necessário abrir os olhos para questões de ordem em relação ao passado bíblico e o presente onde a postura e a necessidade destes acontecimentos têm propósitos absolutamente diferentes.  


     Atualmente o cristão moderno tem o testemunho do maior de todos os milagres exposto, não pro acaso em um dos versículos mais conhecidos da palavra de Deus:  Em João 3.16 está celebremente escrito: “Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha vida eterna”.  Deus nos enviou seu filho para gerar um novo tempo, onde os sinais perderam a sua essência depois que Ele se apresentou como maior de todos os milagres. Hebreus 11.1 onde se lê – “Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos”, também nos mostra um outro grande milagre exposto por intermédio dos seus exemplos: A fé, e o versículo 2 confirma ao dizer: “Pois foi por meio dela que os antigos receberam bom testemunho. Neste sentido sabemos que a misericórdia do Senhor pode sim ser despejada sobre os seus filhos, mas antes disto Ele nos capacitou por meio de fé e confirmou dizendo: “Eu lhes dei autoridade para pisarem  sobre cobras e escorpiões, e sobre todo o poder do inimigo e nada lhes fará dano (Lc 10.19).

     Conclusão: Hoje nós temos uma menor necessidade de milagres e uma maior necessidade de fé. Quando compreendemos que o maior milagre é a fé no impossível, o impossível acontece e se realiza. Deus através do seu filho Jesus concretizou-se como o maior de todos os milagres. Talvez você não tenha até agora recebido um milagre pelo qual esteja buscando há muito tempo, mas acredite! Jesus Cristo está ao seu lado antes do seu milagre chegar. Ele é o “consumador” da sua fé e por consequência do seu milagre, então creia primeiramente em Jesus como o maior de todos os milagres para poder receber todos os outros “pequenos” milagres pelo qual tem orado e esperado. 

pr. altamir de souza
Na Visão de Multidões!
Shalom Aleichem, Aleichem Shalom
A paz seja convosco, convosco esteja a paz

ESTA MENSAGEM EDIFICOU A SUA VIDA?
Ajude este blog a continuar clicando no G+1 do Google
Clicando nos anúncios você também colabora!



Todos os nossos textos são liberados para estudos, pregações em pequenos grupos ou igrejas. A publicação dos textos entretanto só deverá ser feita mediante a autorização por escrito do autor.