sexta-feira, 31 de agosto de 2012

E ai Tomé!? Vencendo nossas fraquezas ocultas.

LEITURA BÍBLICA
João 14:1-7. “Não se perturbe o coração de vocês, creiam em Deus; creiam também em mim. 2 Na casa de meu Pai há muitos aposentos; se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar-lhes lugar.  3 E se eu for e lhes preparar lugar, voltarei e os levarei para mim, para que vocês estejam onde eu estiver. 4 Vocês conhecem o caminho para onde eu vou. 5 Disse-lhe Tomé: “Senhor, não sabemos para onde vais; como então podemos saber o caminho?” 6 Respondeu Jesus: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim. 7 Se vocês realmente me conhecessem, conheceriam também o meu Pai. Já agora vocês o conhecem e o têm visto.

l Sempre que falamos sobre a vida de Tomé, pensamos apenas na sua  incredulidade. Ousamos muitas vezes comentar sobre os “Tomés” que conhecemos e passam pela nossa vida. Aqueles que por um motivo ou outro necessitam “ver para crer”, porém, quando olhamos de uma maneira mais profunda podemos ver não apenas a incredulidade na vida de Tomé, mas também outras dificuldades muito comuns em todos nós. Neste tema vamos falar sobre estas dificuldades e discutir sobre a sublime capacidade de Jesus em aceitar as nossas fraquezas e permanecer firme no seu amor ágape (incondicional) por cada um de nós.

l 1ª Dificuldade: Tomé achava que o mundo era mais forte do que Jesus.
Jesus e chamado a voltar da Galiléia para a Judéia, em virtude da doença de Lázaro. Os discípulos tentam impedir pois temem que ele seja apedrejado, entre eles Tomé, nitidamente contrariado diz: “Vamos também para morrer com Ele. Às vezes somos os únicos a achar que algo não vai dar certo. Achamos que as dificuldades do dia a dia (mundo) vão superar a graça que deve superabundar em nós. O seu líder diz: Vai!, seu parceiro(a) diz: Vai!, o pastor diz: Vai! Até mesmo Jesus fala ao seu coração: Vai filho! Pode ir que eu estou contigo! E você? NÃO vai!

l  2ª Dificuldade: Tomé negava a provisão e o poder Deus.
Em João 14 Jesus está reunido com os seus discípulos e está se despedindo deles mostrando o que haveria de vir conforme as determinações de seu Pai. Visando acalmá-los e encorajá-los ele diz: “Vocês conhecem o caminho para onde eu vou”. A resposta de Tomé foi instantânea: “Senhor, não sabemos para onde vai, então como podemos saber o caminho”. Tomé estava ao lado de Jesus, de quem havia recebido diretamente suas instruções. Como se não bastasse, também havia presenciado milagres feitos por Ele e mesmo assim a sua insegurança quanto ao futuro era tamanha a ponto d´Ele negar a presença de Deus e seus ensinamentos.  Tomé preferia ver Jesus como “mais um” e não como o “único, suficiente e capaz”

l  3ª Dificuldade: A fé de Tomé se firmava no possível e não no impossível. (Yaveh é Deus do impossível).
Em João 20 a partir do verso 19 Jesus aparece aos discípulos, porém Tomé não estava com eles. A primeira coisa a saber é onde estava Tomé? Porque não estava reunido junto aos outros discípulos? Isto nos mostra que Tomé era disperso.  Depois disso, após seus discípulos lhe falarem sobre o aparecimento de Jesus, ele simplesmente “não acredita”. Isto porque para ele Jesus já teria feito “tudo” que era possível. Quantas vezes nos vemos na posição de Tomé? Cremos em Deus, admitimos  sua santidade, porém achamos que Ele é Deus apenas do possível, ou seja: Deus cura resfriado mas não um câncer. Deus dá emprego, mas não muda a vida financeira. Deus perdoa o pecado, mas não livra do pecado. Enfim, assim como Tomé, quando Jesus aparece para mostrar a sua glória estamos dispersos, no lugar errado, longe da comunhão com os irmãos. Lucas 17.34 diz:... duas pessoas estarão numa cama. Uma será tirada, e outra deixada.  Também sabemos que os discípulos estavam reunidos a portas trancadas temendo por suas vidas, porém reunidos eles sabiam que mesmo sem a presença física Jesus estaria entre eles, pois Ele havia dito “onde houver dois ou três reunidos em meu nome, ali Eu estou no meio deles (Mt. 18:20).

l Onde você quer estar quando Jesus voltar? Em comunhão ou disperso?
Pr. Altamir de Souza