segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Felicidade ou prazer. Qual a sua escolha

    
    Todos temos visões distintas a respeito de felicidade. Algumas pessoas compreendem este assunto através dos bens materiais. Há inclusive um ditado popular que diz – “Dinheiro não traz felicidade, mas pode comprar...”. O ditado é popular, porém absolutamente fora de contexto. Dinheiro, por si apenas, jamais trará felicidade e podemos comprovar isto através de muitas pessoas na mídia, conhecidas, ricas e infelizes. Ser feliz é estar satisfeito consigo mesmo, equilibrado nas questões religiosas, psicológicas e físicas e isto independe de questões financeiras. Felicidade também é diferente de prazer pois ele é momentâneo. Temos prazer em estar com os amigos, em ganhar um presente e até mesmo ao receber uma benção, porém este prazer tem prazo de validade. Uma das grandes estratégias da mídia é confundir a mente dos consumidores com estas duas palavras. Recentemente, em uma propaganda de automóveis, vimos um homem pegar o seu automóvel e intencionalmente destruí-lo em um poste. Isto aconteceu porque a sua esposa o havia proibido de comprar outro carro enquanto o seu estivesse em condições. Esta mesma estratégia acontece em todas as outras áreas da propaganda onde somos constantemente levados a comprar para ter prazer, porém vestido de felicidade. O grande problema nisto é que assim como pessoas viciam em bebidas, cigarros e outras coisas, também viciam em comprar para poder ter esta suposta “felicidade”. Você já viu pessoas que têm 4, ou 5 carros sem necessidade? Mulheres que têm 200 pares de sapato? Homens que possuem 50 ternos? Enfim. Este é o falso conceito de felicidade vendido pela mídia e ardilosamente aplicado pelo inimigo em nossos corações. Hoje a situação se ampliou de tal forma que vemos esta mesma estratégia ser aplicada inclusive nos casamentos. Psicólogos e sociólogos têm ido aos meios de comunicação dizer que um casamento feliz não dura mais de cinco anos. Enfim, o mundo conforme vemos nos dias de hoje nos leva a pensar apenas no nosso eu, desprezando a presença de Deus em nossas vidas. Ao longo de tempo deixamos de perceber que, conforme lemos no texto em estudo, a nossa felicidade depende do Senhor. Agora e quanto a Deus? O que podemos fazer para deixá-lo feliz?   

Vamos aprender como fazer isto através de Deuteronômio 30.8-10Vocês obedecerão de novo ao Senhor e seguirão todos os seus mandamentos que dou a vocês hoje. 9 Então o Senhor, o seu Deus, abençoará o que as suas mãos fizerem, os filhos do seu ventre, a cria dos seus animais e as colheitas da tua terra. O Senhor se alegrará novamente em vocês e os tornará prósperos, como se alegrou em seus antepassados, 10 se vocês obedecerem ao Senhor, o seu Deus, e guardarem os seus mandamentos e decretos que estão escritos neste Livro da Lei e se vocês se voltarem para o Senhor, o seu Deus, de todo o coração de toda a alma.

1. Alegramos a Deus quando somos fiéis a Ele. Fé e fidelidade são temas recorrentes nas Escrituras. Em Dt 30.6, lemos: O Senhor, o seu Deus, dará um coração fiel a vocês e aos seus descendentes, para que o amem de todo o coração e de toda a alma e vivam. Deus quer que sejamos fiéis a Ele e que O amemos de todo o nosso coração. Ele se propõe a nos dar este coração fiel – conquanto que creiamos nEle e queiramos tal coração.  Deus fica muito feliz diante de um coração fiel. Lembre-se de Hebreus 11.6, que nos ensina que a fé é a forma de agradarmos ao nosso Deus. 2º. Alegramos a Deus sendo imitadores de Jesus. Em Mateus 3.17, durante o batismo de Jesus no rio Jordão, a Bíblia conta que o Pai expressou-se declarando seu prazer ou alegria na obediência de Jesus. Discípulo é alguém que busca imitar o exemplo e o caráter de Jesus Cristo.  O apóstolo Paulo recomendou aos cristãos da cidade de Corinto que deveriam ser imitadores dele, porque ele era imitador de Jesus Cristo (I Co 11.1). O termo “cristão” foi utilizado a princípio para designar pessoas que eram imitadores de Jesus numa região chamada Antioquia, na Síria (At 11.26). A alegria de Deus é maior na medida que procuramos imitar ao Filho, nosso Senhor Jesus.  3º. Alegramos a Deus quando nos arrependemos dos nossos pecados. Em Lucas 15.10, lemos: Eu lhes digo que, da mesma forma, há alegria na presença dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende. O pecado entristece o nosso Senhor Deus – a Bíblia diz para não entristecermos o Espírito de Deus (Ef 4.30). Em Ne 8.10, temos: A alegria do Senhor é a vossa força. Força ou poder nos são outorgados quando provocamos alegria em Deus. Assim, longe de nós entristecermos ou provocarmos a ira do nosso Deus. Temos mais é que alegrá-lo e honrá-lo. 

pr. altamir de souza
Na Visão de Multidões!
Shalom Aleichem, Aleichem Shalom
A paz seja convosco, convosco esteja a paz

Todos os nossos textos são liberados para estudos, pregações em pequenos grupos ou igrejas. A publicação dos textos entretanto só deverá ser feita mediante a autorização por escrito do autor. *Texto com adaptações.